Janot prova no livro: Lula foi alvo de uma caçada da Lava Jato

Rodrigo Janot assina, em seu livro de memórias, o capítulo definitivo a demonstrar que Lula não foi alvo de investigações e processos judiciais segundo as regras do jogo. Houve uma caçada.

O Capítulo 15 de “Nada Menos do que Tudo” o evidencia de maneira insofismável. Convém que seja lido pelos senhores ministros do Supremo.

Trata-se de decidir se o que lá vai narrado — reproduzo o capítulo no pé deste post — pode ou não prosperar no país. Algumas considerações.

LAWFARE

A defesa de Lula há muito vem apelando à tese de que o ex-presidente é vítima de “lawfare”, vale dizer: do uso do aparato legal para promover não a justiça, mas a perseguição de pessoas previamente escolhidas em razão de interesses escusos, não-relacionados ao cumprimento da ordem legal.

Durante muito tempo, poucos ouviram a defesa do ex-presidente. A Lava Jato tomava de tal sorte as consciências que ninguém dava a menor pelota para vazamentos ilegais, prisões arbitrárias, espetáculos de pirotécnica ou o famoso PowerPoint de Deltan Dallagnol — que, a rigor, nada tinha a ver com a denúncia que a própria força-tarefa havia oferecido contra o ex-presidente.

Os diálogos revelados pelo site “The Intercept Brasil”, em associação com parceiros — também este blog — têm evidenciado de maneira cristalina as agressões ao devido processo legal de que foram vítimas o ex-presidente e outros. Procuradores recorreram a expedientes ilegais para colher provas, mantiveram relações impróprias com o juiz, manipularam o processo para levar para Curitiba o caso do tríplex de Guarujá… Bem, a lista é longa.

O tal capítulo do livro de Janot já tem um título bastante eloquente: “O objeto de desejo chamado Lula”. Poderia falar por si não fosse a história espantosa que lá vai.

O núcleo duro da força-tarefa de Curitiba se deslocou para a sede da PGR e exigiu que Janot, segundo conta o ex-procurador-geral, manipulasse o processo contra Lula, o que, diz ele, negou-se a fazer.

Fica claro — e diálogos revelados por The Intercept Brasil já o haviam revelado — que a força-tarefa não tinha elementos para acusar Lula também por lavagem. Como admitiu Sergio Moro, não havia evidências nem da corrupção passiva.

Reinaldo Azevedo

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print

Deixe uma resposta

VEJA TAMBÉM

Thalita Moema

Aqui você pode falar um pouco sobre você, sobre o site!

Publicidade

  • Mídia Kit
  • Anuncie
  • Contato

Sobre

  • Politica de privacidade
  • Termos de uso
  • Sobre o Blog

Links úteis

  • Politica
  • Notícias
  • Viagens
error: O conteúdo está protegido !!