Papa sobre tentativa da UE de proteger casamentos homossexuais: “Não se deve impor uma coisa que não se encaixa na natureza da Igreja”

O papa Francisco, como sempre ocorre nos voos de volta de suas viagens, abriu a cortina da classe econômica e apareceu para responder às perguntas dos jornalistas. Foi a última viagem de um Papa com a Alitalia depois de 57 anos e 171 trajetos pelo mundo todo, sempre pela mesma companhia. Desta vez, porém, a curta duração do trajeto entre Bratislava e Roma —após uma visita de quatro dias à Hungria e à Eslováquia— permitiu poucas perguntas.

Indagado sobre o pedido da União Europeia de que sejam promovidas leis para permitir o casamento entre homossexuais, ele repetiu que “a Igreja não tem o poder de mudar o sacramento”. “São leis que tentam ajudar a situação de tantas pessoas com orientação sexual diversa. E isso é importante, mas sem impor coisas que não se encaixam na natureza da Igreja. Se querem viver juntos, os Estados têm a possibilidade de apoiá-los civilmente e lhes dar segurança. A lei está bem… mas um matrimônio é um matrimônio. E como sacramento, isso está claro”, assinalou.

Francisco falou de seu encontro com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, assinalando que conversaram apenas sobre ecologia e família. Falou também, no avião papal, sobre a União Europeia —pedindo que ela não se torne “um escritório de gestão”—, os “negacionistas do Colégio dos Cardeais” e a recusa de alguns bispos americanos de dar a comunhão ao presidente Joe Biden por suas posições a favor do aborto. “A comunhão não é um prêmio, é um dom, um presente. Eu nunca me neguei a dá-la”, assinalou.

Francisco foi meio ambíguo quanto à questão de Biden, dizendo que os bispos não devem tomar decisões políticas, e sim pastorais. Mas foi bastante contundente em sua visão sobre o aborto e quem o pratica. “O aborto é um homicídio. Sem meias palavras. Quem aborta, assassina. Peguem qualquer livro de embriologia. Na terceira semana da concepção, às vezes antes que a mulher perceba, já estão presentes todas as características, incluindo o DNA. É uma vida humana e tem de ser respeitada. Para aqueles que não conseguem entender isso, eu faria duas perguntas: é justo assassinar uma vida humana para resolver um problema? É justo contratar um sicário para resolver um problema? Não venhamos com coisas estranhas, cientificamente é uma vida humana. Por isso a Igreja é tão dura nesse ponto: se aceitasse isso, seria como se aceitasse o homicídio cotidiano”, disse. Francisco, entretanto, deixou nas mãos dos teólogos a decisão sobre se deve ou não ser dada a comunhão a quem aborta.

A divisão que a vacinação suscita em algumas comunidades, como a eslovaca, ainda deixa perplexo o Papa, que pediu em várias homilias que as pessoas se vacinem. Ele admitiu que “no Colégio dos Cardeais também há negacionistas”, cardeais que se negam a receber o imunizante contra a covid-19 e que negam sua existência. Francisco lembrou o caso do cardeal Raymond Burke, que faz parte da ala ultradireitista da Igreja e é um de seus principais opositores. Burke se opôs à vacinação, mas acabou ficando gravemente doente e foi internado por covid-19. “Ironias da vida”, disse o pontífice. “No Vaticano estamos todos vacinados, menos um pequeno grupo… Estamos vendo como ajudá-los”, assinalou.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print

Deixe um comentário

VEJA TAMBÉM:

Thalita Moema

Aqui você pode falar um pouco sobre você, sobre o site!

Publicidade

Sobre

Links úteis

error: O conteúdo está protegido !!